• Novidades

    JUL 03, 2015


    Três anos após estreia, Nove Crônicas para um Coração aos Berros ainda colhe frutos

    NOVE CRÔNICAS NA NETFLIX!

    Ainda não viu Nove Crônicas para um Coração aos Berros? Ou quer rever? É pra já: o filme está no cardápio da NETFLIX, disponível para mais de cinco milhões de assinantes em toda a América Latina. Essa é mais uma conquista desse “pequeno grande” projeto, realizado de forma independente e com a parceria de técnicos e atores talentosos. Cinco anos depois das filmagens e três após a estreia na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, nós continuamos voando longe. Vejam o filme, revejam e avisem os amigos!

    Finalizado com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal e produzido pela 400 Filmes (em parceria com Effects Filmes e LudoFilmes), Nove Crônicas tem no elenco o seu ponto forte. Uma saudação especial a todos esses atores maravilhosos: Simone Spoladore e Júlio Andrade (ambos na foto), Leonardo Medeiros, Marat Descartes, Denise Weinberg, Vinícius Ferreira, André Frateschi, Mário Bortolotto, Larissa Salgado, Carolina Sudati, Felipe Kannenberg, Vanise Carneiro, Rita Batata, Paula Cohen, Rejane Zilles, Cacá Amaral, Rodrigo Bolzan, Eucir de Souza, Cristiano Karnas, Evelyn Ligocki, Charly Braun, Marcelo Coutello, Ramiro Silveira e Plínio Soares!

    Não custa reforçar: o filme se encontra disponível também no iTunes e no NOW (da Net).

    Mais detalhes sobre o filme estão no Facebook:
    https://www.facebook.com/NoveCronicasParaUmCoracaoAosBerros

    APR 06, 2015


    Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa: nas telinhas no Brasil e em festival em Lisboa

    UMA DOSE VIOLENTA NÃO PARA DE RODAR

    Exibido em telonas e telões de mais de 20 cidades pelo Brasil, Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa já brilha nas telinhas! O filme está disponível em HD para todo o país no NOW, a plataforma de vídeo por demanda da Net. E mais: na terça-feira, dia 14/04, o filme estreará no Canal Brasil. A reprise vai ao ar no dia 19/04 (na madrugada de sábado para domingo), à 0h15.

    É uma alegria ver que o filme continua rodando e conquistando plateias! Inclusive do outro lado do oceano: ele está escalado para a competição do 6º FESTin – Festival de Cinema Itinerante de Língua Portuguesa, que acontece de 08 a 15 de abril, em Lisboa. Estaremos juntos com outros 11 longas – entre títulos portugueses e brasileiros de destaque na temporada.

    Atualizando: ótima recepção em Portugal!
    A mídia especializada portuguesa recebeu muito bem o nosso filme, exibido na tarde/noite de sexta, 10/04, em Lisboa. Em uma análise riquíssima em detalhes, Aníbal Santiago apontou no site Rick’s Cinema que Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa é um representante exemplar da força e da diversidade do cinema brasileiro hoje. Já no site CinEuphoria, Paulo Peralta exalta a reinvenção do road movie promovida pelo filme dirigido por Gustavo Galvão, com destaque para as atuações de Vinícius Ferreira e Marat Descartes. Obrigado pelo carinho, Portugal!

    Todas as notícias do filme estão na página no Facebook:
    https://www.facebook.com/UmaDoseViolentaDeQualquerCoisa

    NOV 05, 2014


    Com elenco excepcional, Nove Crônicas pode ser visto em dois horários no Cine Joia

    NOVE CRÔNICAS EM CARTAZ NO RIO DE JANEIRO!

    Alô alô, Rio de Janeiro: Nove Crônicas para um Coração aos Berros chegou! Com atores do porte de Simone Spoladore, Júlio Andrade, Denise Weinberg, Leonardo Medeiros e Marat Descartes, o filme será a atração da semana no histórico Cine Joia, em Copacabana. A estreia ocorre nesta quinta, dia 06/11. E atenção: até o dia 12 (quarta), serão duas sessões diárias – às 10h e às 20h25.

    O Rio será a nona cidade a receber Nove Crônicas para um Coração aos Berros, o primeiro longa de ficção da 400 Filmes, lançado em outubro de 2013 em São Paulo, Brasília e Porto Alegre.

    Todos os detalhes estão no Facebook do filme:
    https://www.facebook.com/NoveCronicasParaUmCoracaoAosBerros

    SEP 25, 2014


    Leonardo Medeiros, Vinícius Ferreira e Marat Descartes estão em Uma Dose Violenta

    A VEZ DE FORTALEZA, SÃO LUÍS E VITÓRIA

    Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa continua rodando! De hoje (dia 25/09) até quarta (1º/10), o filme será destaque na programação do Cine Lume (em São Luís), do Cinema do Dragão (Fortaleza) e do Cine Jardins (Vitória), três salas que prezam pela qualidade do que exibem. Vejam os horários desta semana:

    Fortaleza
    Cinema do Dragão – 18h

    São Luís
    Cine Lume – 19h20

    Vitória
    Cine Jardins – 21h

    E nossa alegria não tem fim. Com as estreias desta semana, já são 15 as cidades que acolheram o nosso road cerrado movie. Foram cinco semanas seguidas em cartaz em São Paulo e Rio de Janeiro e quatro em Brasília. Então, façam como milhares de cariocas, paulistas, mineiros, brasilienses, gaúchos e tantos outros: embarquem nessa e provem um pouco do coração selvagem do Brasil!

    Mais informações, no Facebook do filme:
    https://www.facebook.com/UmaDoseViolentaDeQualquerCoisa

    SEP 04, 2014

    4ª SEMANA + ESTREIA EM TRÊS CAPITAIS

    Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa continua em cartaz em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo! É a 4ª semana seguida nas três cidades, uma demonstração do carinho do público por nosso filme. E tem mais: ampliamos o circuito para Florianópolis, Aracaju e João Pessoa! Vejam os horários até quarta (dia 10/09):

    ARACAJU*
    Cine Vitória – QUI 19h | SEX 14h | SAB 17h | DOM 19h

    BRASÍLIA
    Espaço Itaú CasaPark 7: 19h50

    FLORIANÓPOLIS
    Cinespaço Beiramar 5 – 22h

    JOÃO PESSOA
    Cinespaço Mag Shopping 1 – 18h30

    RIO DE JANEIRO
    Espaço Itaú Botafogo 3: 16h

    SÃO PAULO
    Espaço Itaú Frei Caneca 4: 14h

    * Pessoal de Aracaju, atenção: vamos ficar no Cine Vitória só até domingo.

    AUG 28, 2014


    Vinícius Ferreira está em Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa

    3ª SEMANA EM CARTAZ!

    Estamos rindo de orelha a orelha. Não há palavras suficientes para agradecer a ótima receptividade do público de Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo ao nosso filme! Graças a isso, Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa continua em cartaz nas quatro cidades. Confiram a programação da semana de 28/08 a 03/09 e passem adiante, o cinema brasileiro de baixo orçamento está fazendo bonito nas telonas!

    BRASÍLIA
    Espaço Itaú CasaPark 8: 19h50

    PORTO ALEGRE
    Espaço Itaú Bourbon Country 8: 14h
    Sala Norberto Lubisco (CCMQ): 17h30

    RIO DE JANEIRO
    Espaço Itaú Botafogo 5: 16h

    SÃO PAULO
    Espaço Itaú Frei Caneca 8: 19h40

    Vamos ao cinema!

    AUG 14, 2014


    Marat Descartes e Vinícius Ferreira estrelam Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa

    ESTAMOS EM CARTAZ!

    Desde quinta, 14/08, Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa está em cartaz em nove cidades brasileiras! Estamos em um total de 12 salas em oito capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Brasília, Goiânia, Curitiba e Porto Alegre) e também em Santos.

    Depois das ótimas sessões de pré-estreia, o filme entra no circuito acolhido por críticas empolgantes. Vale destacar duas:
    O Globo
    Folha de S. Paulo

    Os horários para as regiões Sul, Sudeste e Nordeste, para o período de 14 a 20/08, estão no Facebook:
    https://www.facebook.com/UmaDoseViolentaDeQualquerCoisa/photos/a.453084161379035.100030.439737552713696/805335416153906/?type=1&theater

    Já os horários para Brasília e Goiânia, no mesmo período, estão aqui:
    https://www.facebook.com/UmaDoseViolentaDeQualquerCoisa/photos/a.453084161379035.100030.439737552713696/805334849487296/?type=1&theater

    Que tal uma dose violenta de cinema essa semana?

    AUG 12, 2014

    TRÊS SESSÕES MEMORÁVEIS

    A rodada de pré-estreias de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa foi um sucesso! Primeiro, o filme encheu a Cinemateca Paulo Amorim, em Porto Alegre. Dias depois, lotamos o grandioso Cine Brasília, com mais de 600 lugares ocupados! Por fim, na última segunda-feira (dia 11), juntaram-se ao público e aos convidados quatro grandes personalidades da cultura brasileira para a sessão em São Paulo, no Espaço Itaú Frei Caneca: o ator Paulo César Pereio, os autores Marçal Aquino e Marcelo Rubens Paiva e o poeta Claudio Willer. Agradecemos a todos pela presença e pelo carinho!

    Para saber mais detalhes sobre essas sessões, vale a pena dar uma conferida no Facebook do filme. E não se esqueça: Uma Dose Violenta estreia nesta quinta, dia 14 de agosto!

    Fotos da pré-estreia em São Paulo:
    https://www.facebook.com/media/set/?set=a.804605452893569.1073741829.439737552713696&type=1

    Fotos da pré-estreia em Brasília:
    https://www.facebook.com/media/set/?set=a.803610159659765.1073741827.439737552713696&type=1

    Fotos da pré-estreia em Porto Alegre:
    https://www.facebook.com/okna.producoes/posts/691162514293670

    JUL 25, 2014


    Marat Descartes e Vinícius Ferreira estrelam Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa

    PRÉ-ESTREIAS EM TRÊS CIDADES

    Para preparar o lançamento de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa nos cinemas brasileiros, três sessões de pré-estreia estão confirmadas. A primeiríssima será em Porto Alegre, cidade que acolheu tão bem o filme na sessão que tivemos em junho, no Festival de Cinema Internacional do RS. Depois ele volta a Brasília, a cidade onde tudo começou, e termina seu giro em São Paulo.

    A pré-estreia na capital gaúcha será no dia 06 de agosto, quarta-feira, na Casa de Cultura Mário Quintana, às 20h. Depois da sessão, haverá bate-papo com o diretor Gustavo Galvão, a corroteirista Cristiane Oliveira e a diretora de arte Valéria Verba. O ingresso custará só R$ 5 e dará direito a isenção de pagamento na entrada para a confraternização no Espaço Cultural 512 (na Cidade Baixa).

    Vejam o evento criado no Facebook para a sessão em Porto Alegre:
    https://www.facebook.com/events/675708815829983/

    Já a sessão em Brasília será muito especial. Para começar, ela acontecerá no templo do cinema brasiliense, o monumental Cine Brasília (no sábado, dia 09 de agosto, às 21h). O protagonista Vinícius Ferreira e o diretor Gustavo Galvão estarão presentes, juntamente com boa parte da equipe. A entrada será franca! E o ingresso ainda dará direito a entrada gratuita na festa de lançamento do longa, sob comando do pessoal do Criolina, na ASCEB (904 Sul).

    Segue o evento criado no Facebook para a sessão em Brasília:
    https://www.facebook.com/events/771258532916837/

    Por fim, a sessão em São Paulo acontecerá no Espaço Itaú Frei Caneca 03, no dia 11 de agosto, às 21h30. Também com entrada gratuita, esta sessão contará com a presença do outro protagonista do filme, Marat Descartes. O evento no Facebook está aqui:
    https://www.facebook.com/events/1535886509966664/

    Lembrando que o trailer oficial está no ar!
    https://www.youtube.com/watch?v=Ih-ZOFbGOys

    JUL 02, 2014


    Vinícius Ferreira em Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa: filme rodado no Cerrado

    ROAD CERRADO MOVIE

    A expressão acima surgiu nas filmagens de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa. Era a constatação de um detalhe que torna este filme de estrada único em comparação com tantos outros: o pano de fundo para as aventuras de Pedro e Lucas é o Cerrado, região pouco explorada pelo nosso cinema – ainda. Ao fazer a ponte entre a barroca Ouro Preto e a moderna Brasília, cidades decisivas na formação do Brasil que conhecemos, Uma Dose Violenta rodou por outras 11 cidades: Brazlândia, Gama, São Sebastião e Sobradinho (no DF); Planaltina, Luziânia, Formosa, Valparaíso e Cristalina (GO); Patrocínio e sua vizinha, Serra do Salitre (MG), onde achamos a estação de trem da foto. Mas o imaginário dos dois protagonistas viaja para além do Cerrado. Na jornada pelo “coração selvagem do Brasil” (palavras de Lucas), eles sonham com Recife, Atacama, África! Para eles, o infinito não é suficiente.

    Veja o trailer oficial no YouTube!

    E saiba mais detalhes sobre Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa no Facebook do filme e no site oficial! O longa-metragem, uma produção da 400 Filmes, estreará no circuito comercial brasileiro em 14 de agosto.

    MAI 29, 2014


    Leonardo Medeiros, Vinícius Ferreira e Marat Descartes em Uma Dose Violenta…

    DOSE TRIPLA EM PORTO ALEGRE

    Dentro de alguns meses, vamos levar Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa aos cinemas pelo Brasil! Que tal um aperitivo do filme enquanto o dia não chega? É o que daremos para o público de Porto Alegre. Uma Dose Violenta foi convidado para o 9º Festival Internacional de Cinema do RS. Mudaram tanto o nome quanto a data (até dezembro de 2013, era o Festival de Verão do RS); o objetivo é o mesmo: exibir na cidade uma amostra da produção contemporânea mundial.

    O festival acontece de 04 a 11 de junho, sendo que o dia 07 será muito especial. Das 14h às 18h, o diretor Gustavo Galvão e a corroteirista Cristiane Oliveira vão conceder uma palestra sobre a elaboração do roteiro e a realização do filme. Será um aquecimento para a sessão, única, às 19h30. Logo após a sessão, por volta das 21h, Gustavo e Cristiane vão participar de um bate-papo com o público. Os três encontros estão agendados para o mesmo lugar, a Casa de Cultura Mário Quintana. Entrada gratuita!

    MAI 21, 2014


    Marat Descartes e Vinícius Ferreira estão em Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa

    UMA DOSE VIOLENTA PERTO DE SER LANÇADO NO CIRCUITO

    Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, o segundo longa de Gustavo Galvão, está prestes a ser lançado no circuito comercial brasileiro, quase um ano após a sua estreia no 46º Festival de Brasília (onde recebeu o Troféu Câmara Legislativa de Melhor Trilha Sonora). Desde então, ele foi apresentado em duas importantes vitrines para a produção independente no Brasil: a 37ª Mostra Internacional de São Paulo (outubro de 2013) e a 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes (janeiro de 2014). Uma Dose Violenta é um road movie de baixo orçamento rodado no coração do Brasil, entre duas cidades que definem diferentes épocas da história do país: Brasília e Ouro Preto. Fiquem ligados para mais detalhes! Ou acessem o Facebook do filme.

    ABR 22, 2014


    Júlio Andrade e Denise Weinberg em Nove Crônicas para um Coração aos Berros

    NOVE CRÔNICAS: AGORA NO NOW

    Não viu ainda? Quer ver de novo? Opções não faltam para ver Nove Crônicas para um Coração aos Berros! O filme de Gustavo Galvão segue disponível nas lojas iTunes por toda a América Latina, inclusive no Brasil. E já estamos em HD no NOW, plataforma de vídeo por demanda da Net. Para buscar o filme no catálogo do NOW, o assinante pode seguir os passos: Cinema > Catálogos por gênero > Cinema nacional. O link para o Nove Crônicas está no cardápio de opções. Boa sessão!

    Todos os detalhes no Facebook do filme:
    https://www.facebook.com/NoveCronicasParaUmCoracaoAosBerros

    P.S.: E quem não viu ainda o curta-metragem A Vida ao Lado, uma ótima oportunidade: no dia 04/05, às 19h30, ele estreará na programação da Box Brasil (canal 156 da Net). O filme será a atração do programa Curta in Box! Dois dos atores do longa Nove Crônicas para um Coração aos Berros estão no elenco do curta, lançado em 2006: Leonardo Medeiros (premiado no Festival de Brasília por sua atuação) e Larissa Salgado.

    ABR 18, 2014


    Nove Crônicas concorre ao Prêmio ABC e também no GP do Cinema Brasileiro 2014

    LONGAS DA 400 DISPUTAM PRÊMIOS

    Os longas-metragens Nove Crônicas para um Coração aos Berros e A Cidade é uma Só?, produzidos pela 400 Filmes e lançados no circuito comercial brasileiro em 2013, estão na disputa de importantes prêmios para a produção cinematográfica brasileira contemporânea.

    Nove Crônicas concorre em quatro categorias do Prêmio ABC, que aponta os destaques técnicos a cada ano. Estão na disputa: André Carvalheira (direção de fotografia), Valéria Verba (direção de arte), Marcius Barbieri (montagem) e Ricardo Reis e Miriam Biderman (som). A premiação, organizada pela Associação Brasileira de Cinematografia, acontecerá no dia 10 de maio (na Cinemateca Brasileira, em São Paulo).

    O filme de Gustavo Galvão também disputa em diversas categorias do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, promovido pela Academia Brasileira de Cinema, cuja cerimônia está prevista para agosto. Já A Cidade é uma Só?, dirigido por Adirley Queirós, concorre na categoria Documentário.

    Mais informações sobre os dois filmes no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro:
    A Cidade é uma Só?
    Nove Crônicas para um Coração aos Berros

    DEZ 27, 2013


    Detalhe da arte em espanhol feita para Nove Crônicas para um Coração aos Berros; o
    filme poderá ser adquirido em todo o mundo hispânico e no Brasil nas lojas do iTunes

    NOVE CRÔNICAS PARA A AMÉRICA LATINA E ESPANHA

    Nesta quarta teremos um motivo a mais para celebrar: no dia 1º de janeiro, tem início a pré-venda de Nove Crônicas para um Coração aos Berros nas lojas do iTunes por toda a América Latina e também na Espanha! A partir de 16 de janeiro, o filme estará disponível nas lojas virtuais da Apple em cerca de 20 países, inclusive no Brasil – além de Argentina, Chile, Peru, Colômbia, Venezuela, México… Enquanto o dia não chega, que tal dar uma olhada no trailer de “Nueve Crónicas para un Corazón Desgarrado”?

    DEZ 21, 2013


    Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa: confirmado na Mostra de Tiradentes, o filme
    integra a homenagem ao ator Marat Descartes (à esq.; foto de Cristiane Oliveira)

    E AGORA EM TIRADENTES

    Vamos voltar a Minas! Em janeiro de 2014, um ano e meio após as filmagens em Ouro Preto e Patrocínio, Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa segue para as Gerais para participar da Mostra de Tiradentes. O filme está confirmado na 17ª edição do evento, a mais célebre vitrine do cinema independente brasileiro.

    E essa participação é muito especial: Uma Dose Violenta integrará a homenagem ao ator Marat Descartes, que apresentará, no primeiro fim de semana, dois longas-metragens, um média e quatro curtas. A Mostra de Tiradentes vai acontecer de 24 de janeiro a 1º de fevereiro de 2014. Outros detalhes no site do festival, no Facebook do filme e aqui, em breve!

    DEZ 08, 2013


    A Cidade é uma Só? é um dos longas da 400 Filmes presentes na retrospectiva 2013

    LONGAS DA 400 NA 14ª RETROSPECTIVA DO CINEMA BRASILEIRO

    Mais uma chance para ver Nove Crônicas para um Coração aos Berros e A Cidade é uma Só? na telona! E é telona mesmo: os dois filmes serão exibidos no CINESESC (Rua Augusta, 2.075, São Paulo), ambos como parte da programação da Retrospectiva do Cinema Brasileiro.

    Em sua 14ª edição, a retrospectiva do CINESESC exibirá os principais longas brasileiros lançados no circuito comercial entre novembro de 2012 e outubro de 2013. A Cidade é uma Só?, premiado documentário dirigido por Adirley Queirós, será apresentado no dia 14/12, sábado, às 13h. Na sessão seguinte, às 15h, será a vez da ficção Nove Crônicas para um Coração aos Berros, de Gustavo Galvão. Não percam!

    OUT 11, 2013


    Nove Crônicas para um Coração aos Berros: uma semana após a estreia, o filme pode
    ser visto em dois dos melhores cinemas do circuito alternativo na capita paulista

    CONTINUAMOS EM CARTAZ!

    Lançado em São Paulo na sexta-feira passada, dia 04 de outubro, o longa Nove Crônicas para um Coração aos Berros entra na segunda semana em exibição em São Paulo. E agora em duas salas!

    O filme seguirá até domingo, 13/10, no CineSesc (R. Augusta, 2075), em duas sessões: às 15h e às 19h. Até quinta, dia 17/10, o filme pode ser visto no Espaço Itaú Augusta (R. Augusta, 1475), sala 03, às 18h.

    GRITO SILENCIADO
    Este é o título da bela matéria de Alvaro Machado sobre o filme, publicado na Revista da Cultura de outubro. Uma amostra, com a chamada: “Em seu primeiro longa-metragem, Nove Crônicas para um Coração aos Berros, o diretor Gustavo Galvão investiga, assim como fizeram Fellini e Antonioni, a percepção torta do tempo e os descompassos da vida”.

    Segue o link:
    http://www.revistadacultura.com.br/revistadacultura/detalhe/13-10-02/Grito_silenciado.aspx

    SET 29, 2013


    Nove Crônicas para um Coração aos Berros: no circuito comercial a partir de 04/10

    ESTREIA EM SÃO PAULO E BRASÍLIA!

    Atenção: está confirmadíssima a estreia de Nove Crônicas para um Coração aos Berros nos cinemas! Para começar, o filme terá duas sessões especiais, a primeira em Brasília e a outra em São Paulo.

    No dia 03/10, quinta-feira, o filme terá a primeira exibição pública na Capital Federal. A pré-estreia terá início às 21h50, na Sala 02 do Cine Cultura (Liberty Mall). Depois da sessão, o diretor Gustavo Galvão e o ator Vinícius Ferreira vão bater um papo com o público brasiliense. No dia seguinte, 04/10, o filme entra em cartaz normalmente, no mesmo Cine Cultura.

    Já em São Paulo, o filme estreará em um dos melhores cinemas da cidade, o CineSesc (Rua Augusta, 2075). Serão duas sessões por dia, de 04 a 13/10: às 15h e às 19h. Na sexta-feira, dia 04/10, a sessão das 19h será seguida de debate – dessa vez, Gustavo Galvão e Vinícius Ferreira estarão ao lado de atores como Rita Batata, André Frateschi, Paula Cohen, Larissa Salgado e Carolina Sudati.

    Serão duas ótimas oportunidades para conversar sobre um longa-metragem diferenciado, sem paralelos na produção cinematográfica brasileira atual. E lembrem-se: após a estreia em Brasília e São Paulo, chegará o momento de lançar o filme em Porto Alegre, Rio de Janeiro e Goiânia, entre outras cidades.

    Mais detalhes no Facebook do filme:
    https://www.facebook.com/NoveCronicasParaUmCoracaoAosBerros

    SET 27, 2013


    Simone Spoladore e Júlio Andrade em Nove Crônicas para um Coração aos Berros

    DOIS PRÊMIOS EM UMA SEMANA

    Dois filmes na mesma semana, embora em festivais diferentes. No mesmo dia (22 de setembro), enquanto Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa estreava no 46º Festival de Brasília, Nove Crônicas para um Coração aos Berros levava o prêmio de Melhor Direção no 10º Festival de Cinema de Maringá (na categoria Ficção). Para fechar com estilo a participação em Brasília, Uma Dose Violenta acabou arrebatando o troféu Câmara Legislativa de Melhor Trilha Sonora.

    O prêmio em Brasília consolida o impactante trabalho desenvolvido pelo sax tenor Ivo Perelman, brasileiro radicado nos EUA, que produziu a trilha original e a executou ao lado de Matthew Shipp (piano), Mat Maneri (viola, violino) e o quarteto de cordas Sirius Quartet. Vale lembrar que a trilha conta também com peças de Assis Medeiros, Judaz Mallet (um funk em parceria com André Arvigo e Mc Gi), Otto e dos peruanos dos Los Saicos, além de trecho de Serendipity, jazz que Ivo Perelman gravou com Matthew Shipp, William Parker e Gerald Cleaver.

    Já a premiação em Maringá serve como um estímulo a mais para o lançamento de Nove Crônicas no circuito comercial. E está certo: a partir de 04 de outubro, o filme poderá ser visto no CineSesc (São Paulo) e no Cine Cultura (Brasília). A partir daí, ele seguirá para Rio de Janeiro, Porto Alegre, BH, Goiânia… Não custa reforçar que o filme já havia recebido, em abril/2013, um prêmio importante: menção especial da crítica (júri ACCU/ FIPRESCI), no 31º Festival Cinematográfico del Uruguay.

    Os dois filmes estão no Facebook:
    https://www.facebook.com/NoveCronicasParaUmCoracaoAosBerros
    https://www.facebook.com/UmaDoseViolentaDeQualquerCoisa

    SET 05, 2013


    Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa: longa estreará no 46º Festival de Brasília

    DOIS LONGAS NA MESMA SEMANA

    Agenda cheia para os dois longas de ficção da 400. Em particular para Nove Crônicas para um Coração aos Berros. Mesmo com o lançamento comercial previsto para o dia 04 de outubro, o filme de Gustavo Galvão continua sua carreira pelos festivais. Entre 16 e 22 de setembro, será a vez de participar do 10º Festival de Cinema de Maringá. O filme foi selecionado para a Mostra Competitiva, cuja programação reúne alguns dos destaques da temporada.

    A lista de selecionados para Maringá se encontra no site do festival. Já para saber todos os detalhes sobre o lançamento de Nove Crônicas nos cinemas, fiquem de olho no Facebook do filme.

    E está chegando a hora de ver Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa na telona! O longa, recém-finalizado e também dirigido por Galvão, fará sua estreia no 46º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Ele participará da Mostra Brasília, paralela ao festival – de 18 a 24 de setembro. Foram selecionados quatro longas (apenas um de ficção, exatamente Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa) e 18 curtas, que concorrem a um total de R$ 200 mil em prêmios.

    Mais representativo que a disputa pelo Troféu Câmara Legislativa, no entanto, é a oportunidade de exibir o filme na cidade onde tudo começou, sabendo que a equipe, os amigos e demais parceiros estarão na plateia do Cine Brasília. A sessão já está marcada: 22 de setembro, a partir das 14h30. Com entrada franca. Demais informações no Facebook do filme.

    BASE COLETIVO AUDIOVISUAL
    A seleção da Mostra Brasília confirma a força do mais novo coletivo de Brasília, o BASE Coletivo Audiovisual, que une às produtoras 400 Filmes, Machado Filmes e Olho de Gato ao estúdio Argonautas Design de Vídeo. Dos quatro longas-metragens na disputa pelo Troféu Câmara Legislativa, três resultam dessa aliança: Plano B (Getsemane Silva) e T-Bone Açougue Cultural (Alisson Machado), além de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa. Os premiados da Mostra Brasília serão anunciados no dia 24, no encerramento do Festival de Brasília.

    Saiba mais sobre o BASE Coletivo Audiovisual no Facebook!

    JUL 12, 2013


    A Cidade é uma Só? estreia em Brasília, São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Goiânia

    DOCUMENTÁRIO EM CARTAZ

    Quase dois anos depois do lançamento triunfal na Semana dos Realizadores, no Rio de Janeiro (onde ganhou menção do júri mesmo tendo sido exibido fora da competição), o documentário A Cidade é uma Só? chegou aos cinemas. A partir desta sexta-feira, 12 de julho, o filme de Adirley Queirós poderá ser visto em cinco capitais: Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Goiânia.

    O filme chega ao circuito comercial brasileiro endossado pela ótima trajetória no circuito de festivais, sendo o auge o prêmio principal da 15ª Mostra de Cinema de Tiradentes, concedido pela crítica. Também premiado no ForumDoc BH, A Cidade é uma Só? ainda teve uma ótima acolhida no Buenos Aires Festival Internacional de Cine Independiente e no World Cinema, em Amsterdã.

    Produzido pela 400 Filmes e pela 5 da Norte, o documentário de Adirley Queirós é uma reflexão sobre os 50 anos da capital do país e retrata a exclusão territorial e social enfrentada por parte da população do Distrito Federal e Entorno, com foco no surgimento de Ceilândia. Mais informações no Facebook do filme e no site da distribuidora Vitrine Filmes.

    MAI 10, 2013



    LONGAS DA 400 FILMES NA VIRADA CULTURAL

    Enquanto não chega a hora de estrear no circuito comercial, um aperitivo para o público paulistano: os longas Nove Crônicas para um Coração aos Berros (de Gustavo Galvão) e A Cidade é uma Só? (de Adirley Queirós), ambos produzidos pelas 400 Filmes, participarão da Virada Cultural 2013 – evento que movimenta toda a cidade de São Paulo por 24 horas.

    Nove Crônicas será exibido no dia 18/05, sábado, às 20h, na Sala Lima Barreto do Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1.000, metrô Vergueiro). No domingo, às 6h, também na Sala Lima Barreto, chegará a vez de A Cidade é uma Só?.

    Os dois títulos integram uma seleção de longas-metragens de destaque no circuito de festivais, preparada pela distribuidora Vitrine Filmes.

    A programação completa da Virada você encontra em:
    http://viradacultural.prefeitura.sp.gov.br/programacao

    Mais informações sobre Nove Crônicas:
    https://www.facebook.com/NoveCronicasParaUmCoracaoAosBerros

    ABR 06, 2013


    Os longas A cidade é uma só? e Uma dose violenta de qualquer coisa (na foto acima)
    lançam interpretações divergentes da matriz modernista fundadora de Brasília

    À MARGEM DO MONUMENTO

    Artigo de João Lanari Bo, publicado no Correio Braziliense (Pensar, sábado, 06 de abril de 2013) *

    Brasília nasceu de um projeto de revitalização do próprio país, a chamada interiorização do desenvolvimento, mas é, sobretudo, uma cidade que foi pensada como espetáculo. Um espetáculo modernista, carregado de utopia social e de estética arquitetônica, desde o início uma celebração plástica de ideais humanistas e fruto de uma razão construtiva rigorosa. Cenário perfeito para dois jovens e talentosos cineastas aqui nascidos e criados, Adirley Queirós e Gustavo Galvão, explorarem essa riqueza sonora e visual.

    Não obstante, ambos os filmes, ainda inéditos nas telas, acabam indo na direção oposta – a capital federal aparece como sintoma, como patologia social, como núcleo neurótico. Se as instâncias públicas do patrimônio histórico foram capazes de eleger Brasília como Patrimônio Cultural da Humanidade, seus intérpretes, os diretores aqui tratados, parecem engajados numa desconstrução do mito, num retorno do real – em síntese, na crítica da noção de espetáculo modernista embutida na cabeça do Presidente JK e em todos aqueles que aderiram ao projeto.

    Seria Brasília uma cidade-museu, uma cidade museificada? Uma cidade espetacularizada desde sua concepção? Ou pior, uma cidade que, a despeito da utopia modernista do plano original, já nasceu gentrificada, isto é, segregando socialmente a população, desde os operários que a construíram – visíveis nos filmes de Wladimir Carvalho – até os imigrantes que passaram a afluir em massa?

    Brasília, contradições de uma cidade nova, título do filme de Joaquim Pedro de Andrade de 1967, já sugeria o conflito básico que atormenta o governante da capital: administrar uma utopia modernista, um museu ao ar livre, petrificado pelo tombamento histórico; ou ceder sem reservas ao desenvolvimento, e ignorar, em última análise, a criação bucólica de Lucio Costa, matriz conceitual que animou a Unesco a inscrever a cidade na lista do patrimônio mundial. No fim, prevalecem hesitações e oportunismos, e corremos o risco de ficar no pior dos mundos, num impasse sem soluções à vista – enquanto isso, a melhor opção parece ser olhar e interpretar o que se passa ao redor, como pretendem os longas-metragens A cidade é uma só?, de Adirley, e Uma dose violenta de qualquer coisa, de Gustavo.

    Nas cidades construídas ao longo de séculos de ocupação, a negociação entre os proprietários particulares e o coletivo (governo) é determinante para configurar a taxa de ocupação do terreno, a contiguidade das edificações, o uso do solo, enfim. Claro que a acumulação de capital e sua repartição desigual desempenham papel estruturante nas organizações urbanas, gerando distorções, exclusões e conflitos dos mais variados tipos. Mas há também um outro tipo de cidade, do qual Brasília é um dos exemplos mais pungentes: são aquelas em que uma razão construtiva foi pensada como princípio básico e organizador do ordenamento urbano, que supostamente corrigiria no nascedouro o potencial disruptivo das contradições sociais. No limite, uma cidade sem luta de classes, palco para a paz social, adornada por palácios e edificações de traços leves, simples, e poéticos.

    O problema é que as cidades, apesar de tudo, são como corpos – exalam suor pelos poros, sofrem com as intempéries, envelhecem, adoecem. Nós, moradores da capital, somos testemunhas (e vítimas) diárias dessa razão construtiva que erigiu Brasília, das peripécias que essa razão é obrigada a improvisar para encarar o crescimento da população, a pressão do mercado imobiliário e as demandas sociais decorrentes. O que seria um projeto utópico se transfigura em autoritarismo, em exclusão.

    Convivência com a cidade
    É nos interstícios dessa razão construtiva que pode vir a se instalar uma dramaturgia cinematográfica de ressonância simbólica para a cidade. Uma dramaturgia que reproduza percepções coletivas de convivência com a cidade, nas suas dobras e desdobras. Cada um dos filmes lida à sua maneira com a razão e sua evolução nesse meio século de experiência urbana. A cidade é uma só? traz a visão da periferia, seus impasses espaciais, suas expectativas de representação política, mas também os especuladores à procura de novas projeções fundiárias, terras públicas que são “privatizadas”, ou lotes que se subdividem ilegalmente. Traz também a marca do autoritarismo cívico, expressa no jingle que dá nome ao filme, concebido à época da ditadura militar. Já Uma dose violenta de qualquer coisa é um road movie, com personagens à deriva, em busca de uma dose violenta de qualquer coisa, em fuga de Brasília por motivos obscuros.

    O movimento do primeiro filme é centrípeto, de fora para dentro, em direção ao Eixo Monumental; o segundo, centrífugo, do centro para o exterior. No trabalho de Adirley, a narrativa se constrói em torno do Plano Piloto como centro de difícil acesso, de onde são emanados os poderes político e econômico; para o longa de Gustavo, o Plano Piloto paira como núcleo traumático subjacente à trajetória errática dos personagens em fuga. Em ambos os filmes, o Plano Piloto de Brasília, afinal de contas o bem cultural tombado pela Unesco, é o ponto cego da narrativa.

    Logo nos letreiros de A cidade é uma só?, o famoso pássaro com o desenho do Plano é queimado em frações de segundos. O diretor Adirley Queirós, que venceu o Prêmio da Crítica na Mostra de Tiradentes em 2012, o mais prestigioso festival da produção independente no Brasil, tem como ponto de partida a chamada Campanha de Erradicação de Invasões (CEI), que, em 1971, removeu os barracos que ocupavam os arredores da então jovem Brasília, fundando a Ceilândia de hoje. São três personagens principais a guiar o espectador: um candidato depauperado a deputado distrital que mora em Ceilândia e tem como marqueteiro político um ex-rapper; uma testemunha/vítima da erradicação, que atravessa o filme à procura dos traços sonoros e visuais do “aborto territorial” de 1971; e um vendedor de lotes irregulares na periferia, que percorre uma espiral em torno do ponto cego, o Plano Piloto. O objetivo dessa trama, como define o diretor, é desmontar ao “modelo asséptico de urbanização (de Brasília) … que afasta para bem longe de seus limites os invasores”.

    Quem constrói o espaço simbólico que habita, diz o longa de Adirley, são os próprios habitantes, dia após dia, e não uma razão construtiva extemporânea e arbitrária. A combinação de farsa e documento, a insolência mesclada de torpor, os personagens em movimento contínuo, fazem com que A cidade é uma só? se torne um escoadouro da não-razão, da impossibilidade de se construir uma economia simbólica, nesse contexto pós-utopia modernista, em que os cidadãos se sintam representados. A sequência final, em que o mambembe candidato a deputado distrital se defronta com uma carreata monstro da então candidata Dilma Roussef, traz esse impasse para o nível da representação política, talvez o mais candente de todos.

    Tensões psicológicas
    Se no filme de Adirley as referências a Brasília situam-se no mundo objetivo, em Uma dose violenta de qualquer coisa a capital federal aparece como um recalque psíquico, um ambiente carregado de tensões psicológicas, um mundo subjetivo. Diz a sinopse: “Pedro fugiu de casa, pegou a estrada e não sabe para onde ir. Lucas também não sabe, mas a estrada é seu palco. Eles têm pouco mais de 30 anos e levam apenas a roupa do corpo”. Uma existência errática, dando voltas a esmo em torno o ponto de partida, o ponto cego (Plano Piloto), em que a busca de uma identidade “se confunde com a ânsia de viver”. As situações que se apresentam – tráfico de drogas, perversões, violência – são como experiências de abismo, situações-limite que testam a resistência mental dos personagens. Brasília resta no inconsciente, uma memória sem tempo que expulsa seu morador, Pedro, residente do Plano Piloto, do convívio dos seus próximos – o Plano, idealizado para estimular o convívio entre as pessoas, torna-se o ponto cego da história, o núcleo traumático da narrativa.

    Claro, em princípio, qualquer cidade poderia desempenhar esse papel, não é privilégio de Brasília abrigar subjetividades neuróticas. No entanto, a última parada dos viajantes de Uma dose violenta de qualquer coisa, antes do retorno a Brasília, reserva uma surpresa: é naquela que é, sem dúvida, a cidade-antípoda da capital federal, Ouro Preto. A imersão na antiga capital mineira fecha um ciclo de viagem interior de Pedro e Lucas, remetendo-os, sem mais mediações, ao convívio do Plano Piloto – o núcleo traumático da história, afinal, é mesmo Brasília. A paisagem ouropretana, um sítio urbano carregado de simbolismos fundadores da identidade brasileira, monta admiravelmente bem com as superquadras brasilienses, construindo uma transição espacial de forte contraste e significação.

    Ambos os filmes deverão ser exibidos em breve nos cinemas comerciais. Ambos pensaram Brasília como espaço dramático, com a razão construtiva matricial do Plano Piloto e Entorno como um dos eixos de interpretação. Ambos resgataram, cada um à sua maneira, um olhar político sobre o projeto modernista que fundou a cidade e que condiciona sua evolução. Vale a pena conferir.

    * João Lanari Bo é diplomata e professor de cinema da UnB.

    ABR 03, 2013


    Júlio Andrade e Denise Weinberg em Nove Crônicas para um Coração aos Berros

    NOVE CRÔNICAS NOS ESTADOS UNIDOS

    Recém-exibido em Montevidéu, na competição Nuevos Realizadores do 31º Festival Cinematográfico del Uruguay, Nove Crônicas para um Coração aos Berros segue agora para o Cine Las Americas International Film Festival, que acontece em Austin, Texas.

    O festival, cuja 16ª edição acontece de 16 a 21 de abril de 2013, tem o foco no cinema ibero-americano contemporâneo. Nove Crônicas participará da mostra competitiva de longas de ficção (Narrative Feature Competition), que conta com dez produções de dez países. A sessão do filme acontecerá no dia 19, no Alamo Drafthouse Village. Outros quatro longas brasileiros serão exibidos, sendo três fora de competição e uma na competição de documentários.

    Mais informações:
    cinelasamericas.org/2013/program

    E no Facebook do filme:
    https://www.facebook.com/NoveCronicasParaUmCoracaoAosBerros

    ATUALIZAÇÃO: Nove Crônicas para um Coração aos Berros recebeu menção especial do Júri ACCU/FIPRESCI no Festival Cinematográfico Internacional del Uruguay, cuja 31ª edição se encerrou a 06 de abril. O prêmio foi concedido pela Asociación de Críticos de Cine del Uruguay (ACCU), afiliada da Fédération Internationale de la Presse Cinématographique (FIPRESCI), e coroou a ótima participação do filme neste que é um dos mais longevos festivais do Cone Sul.

    MAR 20, 2013


    Ivo Perelman assinará a trilha de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa

    AUMENTA QUE É JAZZ (E ROCK, E FUNK…)

    Pergunte sobre Ivo Perelman a Gary Giddins, crítico do The New York Times e do Village Voice, e a resposta será entusiasmada. “Ivo criou um mundo dentro da vanguarda que é único, diferente de todo o resto”, ele já escreveu. O compositor e historiador Gunther Schuller concorda: “Ele é uma escola completamente nova de jazz, é um gênio”. E assim é o tom nas críticas publicadas em veículos como All About Jazz, DownBeat, Jazzwise, Free Jazz Alchemist, Culture Jazz

    Nascido em São Paulo, em 1961, e radicado nos EUA desde 1986, Ivo é um dos mais conceituados jazzistas da atualidade. E ele assinará a trilha sonora do longa-metragem Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa. As gravações têm data para acontecer: 10 e 17 de abril, no Parkwest Studio, em Nova York. O músico, no sax tenor, atuará com um grupo formado para a ocasião – com o quarteto de cordas Sirius Quartet e o igualmente renomado pianista Matthew Shipp.

    Ivo Perelman gravou mais de dez discos no Parkwest Studio, conhecido no meio jazzístico, sempre com os cuidados do engenheiro de som Jim Clouse. Não será diferente agora, quando o grupo se reunirá para uma experiência sonora sem barreiras. O resultado dos dois encontros deve sair em CD, na íntegra, em 2014, pelo selo britânico Leo Records.

    Gêneros misturados
    Mais surpresas pontuarão a trilha. Embora a base seja jazzística, Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa terá na mescla de gêneros outra marca. Com os direitos recém-adquiridos pela 400 Filmes, está confirmado o cult Demolición, dos Los Saicos. Na ativa entre 1964 e 1966, o grupo peruano é considerado por muitos como o precursor do punk rock. Outra música definida para o filme é Condom Black, um “candomblé freestyle” do pernambucano Otto.

    E ainda há espaço para duas peças, compostas para cenas específicas do longa: um funk carioca (parceria do músico Judaz Mallet com a cantora MC GI) e um tema instrumental com a assinatura de Assis Medeiros (pernambucano-brasiliense que fez a trilha do filme anterior de Gustavo Galvão, Nove Crônicas para um Coração aos Berros).

    Veja abaixo alguns links para começar a entrar no clima de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa! A montagem está perto de ser concluída e o filme terá cerca de 95 minutos. O lançamento no circuito de festivais deve acontecer no segundo semestre de 2013.

    Sirius Quartet & Ivo Perelman no Parkwest Studio (Nov/2011)

    Los Saicos

    Otto



    FEV 18, 2013


    Em março, o filme participará de festival no Uruguai e de mercado em Miami, nos EUA

    NOVE CRÔNICAS PELO MUNDO

    O ano começou agitado para Nove Crônicas para um Coração aos Berros. Recém-exibido na 16ª Mostra de Cinema de Tiradentes, o longa acaba de ser selecionado para um dos mais tradicionais festivais na América do Sul. Nove Crônicas fará sua estreia fora do Brasil em março, na competição do Festival Cinematográfico Internacional del Uruguay, em Montevidéu.

    Organizado há 31 anos pela sexagenária Cinemateca Uruguaya, o festival se notabiliza pela curadoria que aposta em jovens diretores de diferentes cantos do planeta – embora com ênfase em brasileiros, argentinos e uruguaios. De 23 de março a 6 de abril, Montevidéu será a capital do cinema no MERCOSUL.

    ATENÇÃO: o filme estará na mostra competitiva Nuevos Realizadores. Integram a lista nove produções vindas de Espanha, França, Geórgia, Brasil, Argentina e México. Serão duas exibições:
    – 28/03, quinta, às 20h20, no complexo Alfabeta
    – 31/03, domingo, às 22h30, na Sala Pocitos

    Mais detalhes em:
    www.cinemateca.org.uy/nuevos%20realizadores.htm

    ATUALIZAÇÃO: Nove Crônicas para um Coração aos Berros recebeu menção especial do Júri ACCU/FIPRESCI no Festival Cinematográfico Internacional del Uruguay, cuja 31ª edição se encerrou a 06 de abril. O prêmio foi concedido pela Asociación de Críticos de Cine del Uruguay (ACCU), afiliada da Fédération Internationale de la Presse Cinématographique (FIPRESCI), e coroou a ótima participação do filme neste que é um dos mais longevos festivais do Cone Sul.

    E mais! Também em março (de 1º a 10), Nove Crônicas participará, como convidado, do VEOMiami Digital Market, onde será apresentado a agentes, distribuidores e curadores de todos os continentes. O convite veio da diretora executiva do Festival de Miami, cuja representante pôde conferir o lançamento do filme na 36ª Mostra Internacional de São Paulo (em outubro).

    Outras novidades em breve, aqui e no Facebook do filme.

    JAN 05, 2013


    Simone Spoladore e Vinícius Ferreira em Nove Crônicas para um Coração aos Berros

    NOVE CRÔNICAS RUMO A TIRADENTES

    Lançado em outubro de 2012, na 36ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o longa Nove Crônicas para um Coração aos Berros já está garantido em mais um evento crucial na difusão da produção brasileira contemporânea.

    Logo em janeiro, no dia 19, o filme será exibido na 16ª Mostra de Cinema de Tiradentes. O evento mineiro se firmou nos últimos tempos por fazer a ponte entre o novíssimo cinema brasileiro e festivais internacionais de renome. Nove Crônicas integra a Mostra Homenagem, que presta tributo à atriz Simone Spoladore, uma das protagonistas do longa – realização da produtora brasiliense 400 Filmes em coprodução com Effects Filmes e LudoFilmes.

    A sessão em Tiradentes começará às 16h30, no Cine Tenda. Também no dia 19, das 12h às 14h, o diretor Gustavo Galvão estará no Centro Cultural Yves Alves para debater com os cineastas Eduardo Nunes e Lúcia Murat sobre a trajetória de Spoladore. O encontro terá mediação do crítico Daniel Schenker e contará com a presença da própria atriz.

    E mais festivais virão em breve!

    OUT 06, 2012


    Simone Spoladore e Júlio Andrade em Nove Crônicas para um Coração aos Berros

    NOVE CRÔNICAS ESTREARÁ NA MOSTRA DE SÃO PAULO

    O longa-metragem Nove Crônicas para um Coração aos Berros, uma produção da 400 Filmes em parceria com a Effects e a LudoFilmes, já tem data para estrear. O filme foi selecionado para a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, cuja 36ª edição acontecerá de 19 de outubro a 1º de novembro de 2012, na capital paulista. Serão três sessões neste que é um dos mais importantes eventos cinematográficos do Brasil.

    ATENÇÃO: a primeira exibição do filme na Mostra acontecerá na sexta-feira, dia 19 de outubro, às 21h50, no Espaço Itaú de Cinema Frei Caneca (R. Frei Caneca, 569, 3º piso). As outras sessões na Mostra também serão no Frei Caneca, veja os horários:
    – Sexta-feira, dia 19/10, às 21h50, no Frei Caneca 6;
    – Domingo, dia 21/10, às 18h30, no Frei Caneca 3;
    – Quarta-feira, dia 24/10, às 14h, no Frei Caneca 5.

    Não poderia haver festival mais apropriado para lançar o filme. Produzido de forma independente e movido pelo desejo de arriscar uma dramaturgia e uma estética não-convencionais, Nove Crônicas para um Coração aos Berros dialoga com diferentes vertentes do cinema contemporâneo – as quais a Mostra sempre valoriza com a curadoria reconhecidamente ousada. É com alegria que os produtores e o diretor Gustavo Galvão apresentarão o filme na Mostra, a autêntica vitrine de um cinema sem limites.

    O filme foi finalizado em 2012, com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura do Governo do Distrito Federal (FAC). Veja o trailer no Vimeo. E para mais informações, clique aqui.

    E mais: até o início de 2013, o site do filme estará no ar com conteúdo extra sobre os personagens desse mosaico de tipos humanos que é Nove Crônicas para um Coração aos Berros.

    AGO 30, 2012

    GALVÃO É DESTAQUE NA FOLHA DE S. PAULO

    Em matéria na Folha de S. Paulo, no dia 27 de agosto, o diretor e produtor Gustavo Galvão foi citado como um dos destaques da novíssima geração de realizadores brasileiros. Uma geração que “remodela o cinema brasileiro”, afirma a reportagem, ao transitar entre diferentes gêneros e dialogar com diversas influências. Publicada no caderno Ilustrada com o título “Novos cineastas buscam plateias globais”, a matéria chama atenção para oito diretores. Galvão lançará em 2012 seu primeiro longa como diretor, Nove Crônicas para um Coração aos Berros, produzido pela 400 Filmes.

    Veja a matéria no link a seguir:
    Novos cineastas buscam plateias globais

    AGO 20, 2012


    Vinícius Ferreira em cena de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa

    DIÁRIO DE UMA AVENTURA

    Depoimento de Gustavo Galvão

    Certo dia, resolvi calcular a distância que percorremos durante a preparação e a filmagem de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa. Ninguém me perguntou, era curiosidade mesmo. Até porque viajamos duas vezes de Brasília a Minas Gerais, ida e volta. E foram incontáveis idas a Goiás e a cidades próximas da divisa com o Distrito Federal, sempre em busca de locações para ilustrar a jornada de Pedro e Lucas, os dois protagonistas, pelo Brasil Central. Abri o Google Maps, puxei toda a produção de memória e… Desisti. Os cálculos estavam na casa dos 6 mil km rodados.

    Visitamos mais de 40 locações. No caso de road movies, visitar locações requer paciência. Se alguém descobrisse uma locação em Formosa (GO), por exemplo, não adiantava ver fotos. Era preciso reservar um dia para visitá-la. Foram vários dias assim, dedicados a uma só locação, distante uma hora, uma hora e meia da base de produção. Confesso que pensei: “Nunca mais faço um filme de estrada!” Hoje, ao rever as imagens captadas e relembrar instantes de criação em equipe, penso diferente: “Quero mais!”

    Que tesão é esse que os filmes de estrada causam? Para mim, tudo se resume ao fascínio de ver personagens em deslocamento, desenraizados e desterrados. Personagens sem agenda, sem compromissos de trabalho, sem smartphones e iPads. Não-rastreáveis por satélite, mas que deixam pistas, fazem merda e que precisam vivenciar coisas, mil coisas, qualquer coisa – urgentemente. O desejo de acompanhar esses personagens “errando” me estimula; capturar os desejos daqueles que “erram”, isso é cinema.

    Me espelho em Pedro e Lucas, dois errantes por opção. Para fazer filmes como Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, com um orçamento bem abaixo do ideal e muitos riscos envolvidos, é imperativo ter disposição para se reinventar a cada cena. Foi assim que construímos o filme durante a filmagem, deixando que cada cena fosse moldada pelos mais diversos fatores. Das condições de uma locação até a sensibilidade dos atores, sem esquecer a criatividade e a cumplicidade de uma equipe brilhante (todos os nomes estão ao final desse depoimento).

    A seleção de fotos e o resumo do cronograma de filmagem, a seguir, dão uma amostra dessa aventura. Já começamos a próxima, que é a montagem.

    Primeira etapa:
    De 23 a 28 de junho

    Filmagem em Ouro Preto (MG). Na cidade angulosa, onde Barroco se confunde com Expressionismo, Pedro, o personagem vivido por Vinícius Ferreira, atinge o seu limite físico e emocional. Aqui, a trajetória do personagem é modificada por uma mulher ora maternal, ora fatal: Virgínia, papel de Catarina Accioly.

    29 de junho

    Saída da equipe de Ouro Preto e chegada em Patrocínio, onde a diversidade de paisagens e de locações ajuda a resumir a extensa área que vai de Patos de Minas a Lavras.

    Segunda etapa:
    De 30 de junho a 04 de julho

    Filmagem em Patrocínio (MG). Depois de uma rápida aparição em Ouro Preto, entrou em ação em Patrocínio o imprevisível Lucas, o outro protagonista, papel que coube a Marat Descartes. Nesse período, Vinícius e Marat contracenaram com Jesus, personagem de Leonardo Medeiros.

    05 de julho

    Saída de Patrocínio rumo a Brasília.

    Terceira etapa:
    De 06 a 16 de julho

    Nesse período, nos arredores de cidades como São Sebastião (DF), Brazlândia (DF), Formosa (GO) e Luziânia (GO), foram rodadas mais de 50% das cenas de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa. Com base em Brasília, foi um período de grandes deslocamentos até as locações, mas também de afinação e do auge da sintonia da dupla Vinícius e Marat.

    Quarta etapa:
    De 17 a 20 de julho

    A hora e a vez de Maria Manoella. Ela se encarrega de Beatriz, irmã de Pedro. É graças às investigações de Beatriz que sabemos que o personagem deixou toda uma vida para trás ao pegar a estrada. Filmadas em Brasília, essas cenas são o contraponto do que Pedro vivencia em Minas, inclusive em termos fotográficos e arquitetônicos.

    Final da filmagem:
    Dias 21 e 24 de julho

    Últimos dias de trabalho – primeiro em um posto de gasolina nos arredores de Cristalina (GO); depois, com equipe reduzida, nas rodovias GO-010 e GO-436. Cenas decisivas foram rodadas nesses dias, em que Pedro encara o Cerrado e encontra uma faceta desconhecida de si mesmo.

    UMA DOSE VIOLENTA DE QUALQUER COISA

    Uma produção da 400 Filmes, em coprodução com Machado Filmes
    Filme produzido com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura da
    Secretaria de Estado de Cultura do Distrito Federal
    Lançamento em 2013

    Equipe técnica

    Direção e produção: Gustavo Galvão
    Roteiro: Gustavo Galvão, Bernardo Scartezini e Cristiane Oliveira
    Consultoria de roteiro: Miguel Machalski
    Produção executiva: Silvia Calza
    Coordenação de produção: Cristiane Oliveira
    Direção de produção: Alisson Machado e Pablo Peixoto
    Direção de fotografia: André Carvalheira
    Direção de arte: Valeria Verba
    Som direto: Acácio Campos
    1ª Assistente de direção: Cristiane Oliveira
    2ª Assistente de direção: Naná Baptista
    Continuísta: Daniela Marinho
    1ª Assistente de câmera: Dani Azul
    2º Assistente de câmera: Kaco Olimpio
    Maquinista: Tony Boleli
    Eletricista: Aluizio Alves
    Assistência de maquinária: Serjão
    Assistência de elétrica: Oda
    Figurino e assistência de arte: Cláudia Wiltgen
    Produção de arte: Kamala Ramers
    Cenotécnico: Chico Sassi
    Marceneiro: Matias
    Motoristas: Gilberto Menezes e Raulino Rocha
    Produção de locação: Cássio Pereira dos Santos e Alisson Machado
    Estagiários de produção: Tuane Afonso Vasconcelos, Gracy K. Laport e Maurício Chades
    Still: Cristiane Oliveira
    Making of: Maurício Chades
    Logger: Alisson Machado
    Estagiária de finalização: Luciana Menescal Landwehr
    Montagem: Marcius Barbieri
    Supervisão de som: Ricardo Reis e Miriam Biderman
    Edição de som: Effects Filmes

    Elenco

    Vinícius Ferreira, Marat Descartes, Leonardo Medeiros, Maria Manoella, Catarina Accioly, Mário Bortolotto, Chico Sant’Anna, Klarah Lobato, Luma Le Roy, Larissa Salgado, Vanise Carneiro, Juliana Drummond, Jones de Abreu, Humberto Pedrancini, Herculano Almeida, Paco Leal, Pablo Peixoto, Adirley Queirós, Dilmar Durães, Wellington Abreu, Milton Oliveira e Abaeté Queiroz



    JUN 04, 2012

    Uma das locações de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, longa em pré-produção

    PRONTOS PARA PEGAR A ESTRADA (II)

    Imagine um filme de estrada. É plausível que você pense num personagem rodando por belas paisagens e vivenciando situações edificantes, até chegar ao destino final com suas angústias superadas. A vida não funciona exatamente assim e tampouco é assim em Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, longa de Gustavo Galvão, com produção da 400 FILMES, que rejeitará o lugar-comum e o politicamente correto para examinar o papel do jovem adulto numa realidade repleta de contradições.

    Amadurecido continuamente desde 2007, o projeto envolve um grupo de artistas de Brasília que começa a se capacitar para produzir longas (após uma década dedicada à experimentação com curtas). O filme será fruto da criação em conjunto do diretor e roteirista Gustavo Galvão com o diretor de fotografia André Carvalheira, o montador Marcius Barbieri, o diretor de produção Alisson Machado, o co-roteirista Bernardo Scartezini e os atores Vinícius Ferreira e Catarina Accioly. O time ganhou reforço de premiados profissionais como Cristiane Oliveira (co-roteirista e assistente de direção) e os atores Marat Descartes, Leonardo Medeiros e Maria Manoella.

    Concebido por brasilienses para discutir questões locais e nacionais, mas conectado com o que tem sido discutido e trabalhado no cinema independente internacional, Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa roda na contramão de road movies convencionais ao seguir um rapaz de 30 anos numa jornada pelo Brasil Central. Prestes a fazer um acerto de contas entre o jovem sonhador que já foi e o adulto apático que se tornou, ele corta os laços com o passado e o presente e pega a estrada. Incomodado pela seca, ele percorre Goiás, Minas Gerais… Mas sua mente atribulada não deixa que ele se esqueça de Brasília.

    Com franqueza, o filme repensará um contexto que cultua o indivíduo em detrimento do coletivo e não evitará temas polêmicos – como a mudança no perfil de Brasília, a outrora “capital da esperança”. O personagem que sintetiza tal proposta se chama Pedro. Ele não sabe do que foge quando sai da cidade. Busca respostas, mas não encontra mentores no caminho, e sim sujeitos fechados no próprio ego. Pedro não é diferente, é o que descobriremos numa narrativa que conjuga pop e cinema de arte. Ação e reflexão.



    FEV 08, 2012

    André Frateschi, Carolina Sudati e Vinícius Ferreira em cena de Nove Crônicas...

    MAIS TRÊS PROJETOS APROVADOS

    Verba garantida para finalizar um longa-metragem em 35mm e para desenvolver outro, bem como para produzir o piloto de uma série de televisão. Esse é o saldo da participação da 400 FILMES no mais recente edital do Fundo de Apoio à Cultura (FAC 2011), do Governo do Distrito Federal, cujo resultado foi anunciado hoje, 08 de fevereiro. Juntamente com o longa Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, contemplado no FAC 2010, esses três projetos farão de 2012 um ano prolífico para a produtora.

    Com R$ 200 mil garantidos para a finalização, Nove Crônicas para um Coração aos Berros foi produzido com recursos do diretor Gustavo Galvão e das parceiras Effects Filmes e Ludofilmes (além da própria 400 e dos apoiadores). Estrelado por atores do porte de Simone Spoladore, Leonardo Medeiros, Júlio Andrade, Denise Weinberg e Marat Descartes, entre outros, o filme é um caso particular na cena de Brasília. A começar pela ousadia de dispensar o uso de um roteiro tradicional e incitar atores e equipe a tomar caminhos inesperados – a partir de rascunhos de situações dramáticas. O lançamento no circuito de festivais acontecerá em 2012. A duração será de 93 minutos.

    André Carvalheira, diretor de fotografia de Nove Crônicas e de Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, está à frente de Cidade Submersa, que receberá quase R$ 58 mil para o desenvolvimento do projeto. Seu primeiro longa como diretor e roteirista viaja na mente de um cidadão acima de qualquer suspeita, que, aos poucos, revolta-se com a vida que o cerca e alimenta o desejo de se tornar um matador. Não é a primeira prova de reconhecimento que o projeto recebe: em novembro de 2011, ele participou do Iberoamerican Film Crossing Borders, laboratório organizado pela Fundação Luis Buñuel e pelo Festival do Amazonas (leia mais abaixo).

    Carvalheira será o diretor de fotografia também no piloto da série Bola que Rola, uma co-produção 400 FILMES, Olho de Gato (também de Brasília) e Atelier (Pernambuco), que será financiado pelo FAC (R$ 46,5 mil). A idéia consiste em capturar a importância da prática do futebol para a sociedade brasileira e entender o esporte como expressão cultural, com imagens a serem captadas em Brasília, Rio de Janeiro e Recife. Não se tratará, aqui, do futebol dos grandes clubes, e sim do futebol vivenciado nas ruas e campinhos. O piloto terá direção de Guilherme Bacalhao e Getsemane Silva. O produto final terá 26 minutos e começará a ser exibido para potenciais compradores ainda em 2012.

    Para saber mais sobre Nove Crônicas para um Coração aos Berros, clique aqui.

    Mais informações sobre os demais projetos da 400 FILMES serão publicadas ao longo de 2012.

    CIDADE SUBMERSA CRUZANDO FRONTEIRAS

    O projeto Cidade Submersa foi um dos 20 selecionados para participar do laboratório Iberoamerican Film Crossing Borders, realizado em paralelo à sétima edição do Festival do Amazonas (de 7 a 9 de novembro). Produtores e roteiristas de países como Peru, Bolívia, Argentina, Colômbia e Brasil se reuniram por três dias, em Manaus, para apresentar seus projetos e ouvir comentários de consultores de Alemanha, Canadá, Espanha, México e Brasil.

    “As consultorias foram preciosas e auxiliaram para futuros desdobramentos do filme”, acredita Pablo Gonçalo, co-roteirista e representante do projeto da 400 FILMES no encontro. Os consultores abordaram os mais diversos temas, de estrutura narrativa e tópicos do roteiro a questões de produção – tais como co-produção, pitchings internacionais adequados ao tema do roteiro, definição de público alvo e estratégia de lançamento. Pablo conclui: “O mais interessante do seminário é a valorização de uma rede de contatos internacionais para a viabilização de um projeto de longa-metragem.”


    JAN 30, 2012

    Adirley Queirós recebe o Prêmio da Crítica por A Cidade é uma Só?

    LONGA GANHA PRÊMIO EM TIRADENTES

    O longa-metragem A Cidade é uma Só?, dirigido por Adirley Queirós e produzido pela 400 Filmes, recebeu na noite de sábado, 28 de janeiro, o Prêmio da Crítica na 15ª Mostra de Cinema de Tiradentes. Não bastasse ser escolhido para fazer parte da seletíssima Mostra Aurora, dedicada a diretores em seus primeiros filmes (com sete participantes), o filme recebeu ovação dos mais de 600 presentes à sessão, ocorrida na noite anterior. O prêmio, entregue pelo crítico José Carlos Avellar, foi mais um selo de garantia para o projeto. Em outubro de 2011, ele recebeu a Menção Honrosa do Júri na Semana dos Realizadores, no Rio. Um detalhe: embora tenha sido premiado, o filme foi exibido na Semana dos Realizadores fora de competição.

    Para saber mais sobre o filme, clique aqui.

    E leia a matéria do Correio Braziliense.


    DEZ 24, 2011

    Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, de Gustavo Galvão, será rodado em 2012

    PRONTOS PARA PEGAR A ESTRADA (I)

    O terceiro longa-metragem da 400 FILMES começa a sair do papel, depois de quatro anos de elaboração, aperfeiçoamento e reestruturação – o que incluiu a consultoria de roteiro de um especialista de renome mundial, o argentino Miguel Machalski. Com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura, do Governo do Distrito Federal, Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa tem data para acontecer: será rodado entre junho e julho de 2012, em locações em Brasília e Minas Gerais.

    Com a previsão de lançar um longa por ano entre 2011 e 2013, meta que se soma à diversidade de temas tratados e à experimentação de propostas estéticas e narrativas, a 400 FILMES se firma como uma referência do cinema na região Centro-Oeste. O primeiro longa estreou em outubro. Mesmo tendo sido exibido fora da competição, o documentário A Cidade é uma Só? recebeu menção honrosa do júri na Semana dos Realizadores, no Rio. Agora, perto de concluir a montagem da ficção Nove Crônicas para um Coração aos Berros (lançamento em 2012), a produtora se prepara para realizar seu terceiro e mais ambicioso projeto.

    Orçado em R$ 700 mil, Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa adotará a mesma estrutura do longa anterior do diretor e roteirista Gustavo Galvão, Nove Crônicas para um Coração aos Berros. Com equipe enxuta e elenco diversificado (na qual a experiência de alguns profissionais de talento reconhecido complementa o desejo de correr riscos dos mais jovens), todos serão estimulados a criar e a se reinventar. A base dessa aventura é a história de dois jovens que percorrem o Brasil Central em busca de uma razão para viver.

    O brasiliense Vinícius Ferreira, que estreou em longas em Nove Crônicas para um Coração aos Berros, dividirá as atenções com um dos atores paulistas mais conceituados de sua geração, Marat Descartes (destaque em Trabalhar Cansa e Os Inquilinos, sem contar a atuação marcante em Nove Crônicas). Escolhidos pela capacidade de explorar diferentes registros com fluência e ousadia, Vinícius e Marat são peças fundamentais num projeto que procura atiçar a sensibilidade do público para questões polêmicas da realidade brasileira ao investir no humor negro e na auto-ironia.

    Em breve, mais notícias sobre Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa! E sobre os demais projetos da 400 FILMES.


    JUN 6, 2011

    Um Certo Esquecimento (André Carvalheira, 2008), com Adeílton Lima

    CURTAS DA 400 NA PROGRAMADORA

    O cinema brasileiro chegou em São José dos Quatro Marcos (MT), Malacacheta (MG), Piaçabuçu (AL) e em mais de 700 municípios espalhados pelos 26 estados e o Distrito Federal. Tudo isso graças à Programadora Brasil, um programa da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura que promove a reaproximação do público com o cinema feito aqui, além do resgate de obras de todas as épocas. Com quatro curtas, a 400 FILMES participa dessa iniciativa que revolucionou a distribuição de produtos audiovisuais no Brasil.

    O projeto está em vigor desde 2007. Com 700 títulos reunidos em DVDs temáticos, que são vendidos a preços simbólicos para pontos de cultura, prefeituras e outros órgãos (que assumem o compromisso de exibir esses filmes em sessões abertas), a Programadora já atingiu 13% dos municípios do país. O percentual de municípios com salas comerciais não passa de 9%.

    A Lente e a Janela (Marcius Barbieri, 2005) e Danae (Gustavo Galvão, 2004) foram os primeiros trabalhos da 400 FILMES a entrarem no acervo da Programadora. A Lente e a Janela faz parte do Programa 77 (intitulado Paisagens Brasileiras), cujo DVD teve 262 aquisições de abril de 2008 a novembro de 2010. Já Danae integra o Programa 103 (Sedução e Sexualidade), ao lado de curtas como Eletrodoméstica (Kleber Mendonça Filho, 2005) e Amassa que elas Gostam (Fernando Coster, 1998). No mesmo período, até novembro de 2010, foram 223 aquisições.

    Também impressiona a marca do Programa 146 (Encontros e Desencontros do Amor), que destaca A Vida ao Lado (Galvão, 2006): 211 DVDs comprados desde outubro de 2009. O próximo filme da 400 a rodar pelos rincões do Brasil será Um Certo Esquecimento (André Carvalheira, 2008). O curta faz parte do Programa 214, Visões do Imaginário, disponível desde MAIO DE 2011. Ele está acompanhado de filmes renomados como A Escada (Philippe Barcinski, 1996) e Arabesco (Eliane Caffé, 1990). Estes títulos reforçarão os números da Programadora, que deve superar em 2011 a marca de 9.000 sessões e de 370 mil espectadores.

    Para saber mais sobre a Programadora Brasil e seus programas, visite: www.programadorabrasil.org.br. Para saber mais sobre os curtas da 400, veja a página CURTAS.