• Realizadores

    Entre Um (Marcius Barbieri, 2004), com Paolo Mannina

    Escrito e dirigido por André Carvalheira, o premiado curta-metragem Dia de Folga foi produzido por Gustavo Galvão, montado por Marcius Barbieri e teve Guilherme Bacalhao como assistente de direção. Isso aconteceu em 2006. Dois anos depois, Bacalhao foi diretor de produção em A Minha Maneira de Estar Sozinho – dirigido e produzido por Galvão, fotografado por Carvalheira e montado por Barbieri.

    A alternância de funções é regra desde os primeiros trabalhos da 400 FILMES. Os exemplos acima resumem o modelo de trabalho colaborativo adotado pela produtora, que costuma contar com o comprometimento de seus sócios a cada projeto. Individualmente, todos construíram uma carreira extensa dedicada ao cinema e ao audiovisual. André Carvalheira, por exemplo, começou como assistente de câmera, em 1996, e trabalhou com importantes realizadores da cena brasiliense. Hoje, é um diretor de fotografia em ascensão, com mais de 25 filmes no currículo. Como diretor e roteirista, realizou cinco curtas. Obras como Toda Brisa (2003) e Um Certo Esquecimento (2008), bem como o citado Dia de Folga, situam-se entre o poético e o inusitado.

    Marcius Barbieri também tem excelente trânsito entre os profissionais da cidade, tendo montado mais de 20 curtas no período 2003-2010. E em paralelo a tudo isso, estabeleceu uma instigante filmografia como diretor de curtas experimentais, com os quais questiona o modo como o homem contemporâneo se relaciona com as imagens que produz e consome. Assim se tornaram conhecidos filmes como O Cego Estrangeiro (2000), Sexo Virtual Táctil (2003) e A Lente e a Janela (2005). Em 2010-2011, estreou como montador de longas com A Cidade é uma Só? (Adirley Queirós) e Nove Crônicas para um Coração aos Berros (Gustavo Galvão).

    Antes de Nove Crônicas para um Coração aos Berros, seu primeiro longa como diretor, produtor e roteirista, Gustavo Galvão cultivou prolífica trajetória tanto como cineasta quanto como curador de cinema. Foram sete curtas lançados em sete anos (2002-2008), quatro com roteiro próprio. Três deles rodaram o mundo e são requisitados até hoje por TVs e iniciativas culturais diversas: Danae (2004), A Vida ao Lado (2006) e A Minha Maneira de Estar Sozinho (2008). Juntos, eles reforçam uma proposta na qual os relacionamentos urbanos servem de base temática para a revalorização dos aspectos estéticos do cinema. Já como curador, Galvão respondeu por 12 mostras entre 2004 e 2010.

    Com bastante bagagem na televisão, Guilherme Bacalhao dirigiu inúmeros programas e documentários dentro do Núcleo de Vídeos Especiais da TV Câmara, sediada em Brasília. Esteve por trás da premiada série Contos da Resistência (2004), sobre as correntes que se opuseram ao regime militar no Brasil. O interesse por histórias e personagens ignorados pela mídia se traduziu nos curtas Roleiros (2003) e Feliz Natal (2006). Como assistente de direção ou produtor, trabalhou em cerca de 20 filmes.

    Para saber mais detalhes sobre os sócios da 400 FILMES, acesse as páginas:
    ANDRÉ CARVALHEIRA (diretor, roteirista e diretor de fotografia)
    GUILHERME BACALHAO (documentarista e produtor)
    GUSTAVO GALVÃO (diretor, roteirista e produtor)
    MARCIUS BARBIERI (diretor, roteirista e montador)

    E para ver os curtas que eles realizaram, acesse CURTAS.